logo BioWash_perfil.jpg

Guia prático: aprenda como aplicar a sustentabilidade em sua rotina

Atualizado: 22 de Fev de 2019


A palavra sustentabilidade nunca foi tão difundida. Jornais, revistas, programas de televisão, reportagens, livros e páginas na internet abordam esse tema com uma frequência bastante significativa nos dias de hoje. E não é para menos!

De acordo com a organização internacional Global Footprint Network (GFN), no ano de 2016 esgotamos os recursos naturais de nosso planeta disponíveis para o ano todo em menos de oito meses, no dia 8 de agosto!

O Dia de Sobrecarga da Terra, como é chamado, começou a ser calculado no ano 2000 e, desde lá, a cada ano ele chega mais cedo — em 2000 o dia de sobrecarga foi em primeiro de outubro. O que isso significa? Que ano após ano esgotamos mais rapidamente os recursos naturais de nosso planeta.

Caso algumas medidas não sejam tomadas rapidamente, com o objetivo de tornar a sociedade mais sustentável, as gerações futuras estarão seriamente comprometidas, com escassez de recursos naturais essenciais à vida, como a água, aumento brutal da temperatura e falta de alimentos. Certamente não é esse o cenário que você deseja para seus filhos e netos, certo?

Mas afinal, o que é sustentabilidade? Como é possível aplicá-la na rotina diária? E mais, as ações individuais em prol da sustentabilidade fazem realmente alguma diferença na criação de um planeta mais equilibrado e saudável?

Foi justamente para responder a essas questões que escrevemos o post de hoje! Aqui, você encontrará um Guia Prático, com explicações e dicas supervaliosas de como aplicar a sustentabilidade em sua rotina. Vamos lá?


1. O que é sustentabilidade?

Conceitualmente, o termo sustentabilidade refere-se a ações e atividades humanas que têm como objetivo suprir as necessidades da geração presente sem, contudo, prejudicar o suprimento das gerações futuras. Ou seja, são ações, hábitos, metodologias e práticas que utilizam de maneira racional e sustentável os recursos naturais de nosso planeta, de maneira a não esgotá-los.

E se engana quem pensa que ações sustentáveis são responsabilidades únicas e exclusivas de governos e grandes empresas. Obviamente, essas entidades têm sim o dever de criar e implementar ações sustentáveis em suas rotinas, já que impactam a vida da sociedade como um todo.

Entretanto, cada pessoa, individualmente, pode contribuir de maneira efetiva para o bem-estar coletivo do lugar onde mora. É claro que ações individuais possuem um impacto menos significativo quando se pensa em termos globais. Mas acredite, fazer a sua parte como cidadão consciente pode trazer benefícios significativos tanto para a cidade e bairro onde você mora quanto para a sua saúde, qualidade de vida e — pasme! — até mesmo para o seu bolso.

Você certamente já escutou por aí uma frase, associada à Madre Tereza de Calcutá, que diz: “é só uma gota no oceano. Mas sem essa gota, o oceano seria menor”. Pois é exatamente essa a lógica da adoção de hábitos sustentáveis pelas pessoas comuns. Faça a sua parte e contribua, mesmo que de maneira modesta, para a manutenção de um mundo mais justo e saudável.


2. O que são hábitos sustentáveis?

Ok, agora que você já tem mais claro em sua mente o conceito de sustentabilidade, pode estar se perguntando como toda essa parte teórica pode ser convertida em hábitos, certo?

Para esclarecer melhor essa questão, é preciso que você tenha em mente que a sustentabilidade não se refere apenas a adquirir hábitos sustentáveis única e exclusivamente pensando no meio ambiente. Somente deixar de jogar lixo no chão não é ser sustentável (apesar de ser uma atitude louvável e necessária!).

Pensando no todo

É necessário imaginar em como cada uma de suas ações teoricamente sustentáveis impactarão o todo. Onde começa e termina o ciclo de vida de cada material ou produto? Afinal, se você parar para refletir, se dará conta de que tudo no mundo, de uma maneira ou de outra, está conectado.

Para exemplificar melhor esse ponto, vamos supor que você, com o objetivo de poupar energia elétrica e tornar seu lar mais sustentável, resolva substituir as lâmpadas incandescentes de sua casa por lâmpadas fluorescentes. Até aqui tudo ótimo, já que as fluorescentes gastam mesmo menos energia elétrica e duram mais.

Entretanto se, ao deixarem de funcionar, você simplesmente descartá-las no lixo comum, saiba que sua intenção de ser sustentável já foi pelo ralo. Isso porque as lâmpadas fluorescentes contém mercúrio e outros metais pesados em sua composição, que possuem um potencial bastante alto de contaminação de solos e rios. Para “fechar o ciclo” da sustentabilidade com excelência, é necessário destiná-las a locais específicos, onde terão partes recicladas e os metais pesados recolhidos.